A realização de um sonho na minha carreira de Arquiteta Esportiva


COPA DO MUNDO FIFA 2014

Desde que eu descobri que eu queria ser uma arquiteta esportiva, resolvi correr atrás do meu sonho, o primeiro passo seria arrumar um estágio naquele nicho e entrar de cabeça em algo que era completamente novo para mim. Posso dizer que quando temos fé e realmente queremos alguma coisa basta nos esforçarmos. Comecei a procurar referências e locais aonde poderia trabalhar, até que uma amiga da minha família me referenciou ao arquiteto Carlos de La Corte para a minha primeira vaga de estágio. Ele era o mais novo contratado da FIFA para o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo da FIFA no Brasil em 2014. Não vou nem dizer que tudo aquilo era uma oportunidade única, em um momento especial, em que o meu país estava sediando um dos maiores eventos esportivos do mundo. Foram mais de 3 anos trabalhando para os projetos temporários dos estádios e centros de treinamento de futebol da FIFA, analisando e vistoriando os centros de treinamento, enviando relatórios para a Suíça, assim como tocando os outros projetos de arquitetura esportiva do escritório. Tive a oportunidade de estar em quase todos os estádios da Copa, participar do backstage, dos vestiários, dos gramados, dos preparativos das coletivas de imprensa, das várias FIFA Inspections Tour, simplesmente fazer parte da equipe que fez tudo aquilo acontecer.

Estive envolvida em grandes projetos como o do Estádio do Morumbi, Estádio do Fluminense, Centro Esportivos Escolares e o projeto que mais tenho carinho, o do Centro de Treinamento da Seleção Brasileira de Futebol (CBF). Saber que eu fiz parte da equipe do projeto conceitual da infraestrutura que nossos jogadores utilizaram para treinamento em 2014 e agora em 2018, é uma das certezas de que eu segui o caminho certo.

CENTRO DE TREINAMENTO DA CBF

Alguns anos se passaram, eu fui efetivada no escritório, trabalhei dias sem horário para ir embora, mas sempre com um sorriso no rosto apesar do cansaço. E muitas viagens e reuniões depois eu recebi uma proposta do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Como lá atrás, na minha infância eu era uma pessoa que adorava trocar de esportes, gosto de novidades, não preciso dizer que eu acabei aceitando o desafio de aprender mais sobre novos esportes, além de tudo o que o futebol e FIFA já haviam me ensinado. Me mudei para o Rio de Janeiro, comecei a trabalhar no Comitê Rio 2016, junto com o Comitê Olímpico Internacional (IOC), e foi então que recebi um presente divino. O projeto que eu seria responsável pelos próximos 3 anos seria a Arena de Vôlei de Praia das Olimpíadas do Rio 2016, tendo a oportunidade de trabalhar com a Federação Internacional de Voleibol FIVB para obter ainda mais conhecimento.

ARENA DE VÔLEI DE PRAIA RIO 2016

Naquele momento eu me dei conta de um acontecimento do passado em que eu sempre me inspirei. Eu devia estar no segundo ano do colegial e minha escola resolveu fazer uma excursão ao Programa Altas Horas, do Serginho Groisman, e os convidados do programa eram os campeões olímpicos do volei de praia: Ricardo e Emanuel. Lembro que naquele dia eu vi pela primeira vez uma medalha de ouro olímpica. Nunca poderia imaginar que, anos depois, ia ser na minha Arena, no projeto que eu tinha feito, que o Brasil novamente viria a ganhar outra medalha de ouro, desta vez com a dupla Allysson e Bruno.

A oportunidade única novamente batia à minha porta e eu tinha aceitado o desafio. Pude trabalhar lado a lado com campeões do volei como o Giovane Gavio, Tande, Emanuel, e meu parceiro Guilherme Marques. Para quem sempre sonhou em ir para as Olimpíadas, eu posso dizer que eu FUI. Realizei o sonho. Não da maneira como quando criança sonhava, mas como uma profissional: ARQUITETA ESPORTIVA.

O que poucos sabem é o tamanho da engrenagem que é organizar e projetar os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo de Futebol. São anos dedicados para que tudo funcione e dê certo para espectadores e atletas.

A vida segue e eu continuo em busca de um novo sonho: melhorar a infraestrutura esportiva no meu país e no mundo, para que novos atletas sejam formados e para que novos centro de treinamentos surjam!

Eu, a arquiteta que projetou a Arena de Volei Rio 2016, durante a cerimônia de medalhas feminina. No chão, segurando as placas de look para que tudo funciona-se perfeito.

Já são 4 anos que eu tenho o meu próprio escritório, especializado em arquitetura esportiva. Desta vez o foco é deixar legado através de um trabalho voluntário de arquitetura focado em projetos sociais por meio de institutos e ONGs que educam e treinam jovens através do ESPORTE.

Foi assim que O ESPORTE MUDOU MINHA VIDA.

 

Press

http://rio2016.fivb.com/en/news/xaviers-xcellent-xample-the-coliseu-on-copacabana?id=64487

http://globoesporte.globo.com/futebol/selecao-brasileira/noticia/2011/07/ct-da-selecao-vai-ficar-pronto-em-15-meses-confirma-teixeira-conheca.html

http://esportes.terra.com.br/futebol/brasil2014/fotos/0,,OI154586-EI10545,00-Comite+de+faz+vistoria+CT+saopaulino+em+Cotia.html

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.